Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Bom dia Dom Fernando – 06 de Abril

Click AQUI e ouça na íntegra

Bom dia, queridos irmãos e irmãs, nessa manhã de segunda-feira, dia 06 de abril.

Inicio o programa de hoje pedindo orações pelo Pe Roberto Carlos que no último sábado partiu para a Casa do Pai. O Pe. Roberto era incardinado na Diocese de Ji-Paraná, em Rondônia e, durante alguns anos, exerceu seu ministério presbiteral em nossa arquidiocese. Ultimamente residia no Lar Sacerdotal em Recife. Rezemos por ele e seus familiares que residem no Rio Grande do Norte. Descanso eterno dai-lhe Senhor!

Ontem, nós iniciamos, silenciosamente, a Semana Santa, também conhecida como a Grande Semana, não porque tenha mais dias que as outras, mas pela sua importância litúrgica, teológica e pastoral, possibilitando-nos meditar os mistérios centrais de nossa fé. Foi emocionante e motivador o que vimos ontem. Os católicos, espalhados por todo o mundo, colocando ramos em frente às suas casas e com esse gesto afirmarem: “Hosana ao Filho de Davi, bendito o que vem em nome do Senhor”. Alí estavam as famílias reunidas, em torno da pessoa de Jesus Cristo que nos garantiu: “Onde dois ou três estão reunidos em meu nome, Eu estarei no meio deles”. Todos sintonizados com os ministros do Senhor, que na Igreja vazia, celebravam o Mistério da Fé, na pessoa de Jesus Cristo que na última ceia ordenou: “fazei isto para celebrar a minha memória”.

É a Igreja doméstica que ressuscita com o Cristo, cumprindo seu papel em tempos de pandemia. É a Igreja perseverante, fiel e criativa que agradece a Deus o dom da inteligência, inclusive ao desenvolver tecnologias avançadas, facilitando nossa comunicação e articulação em momento tão difícil. Nunca esqueçamos que Deus é fiel, percebamos isso através dos inumeráveis gestos de fraternidade que tanto têm nos edificado. Em Mateus 25,34s está escrito: “Vinde benditos do meu Pai, tomai posse do Reino que vos está preparado, porque Eu tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; na prisão e viestes a mim…”. E Jesus completa: “Em verdade eu vos digo, todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim que o fizestes”. Jesus, meus irmãos e irmãs, tem agido através de tantas mãos: nos hospitais e casas de saúde; nos que produzem ou fazem chegar o necessário alimento, sobretudo para os pobres; nos que cuidam da limpeza e da higienização.

Dentre as lembranças de Jesus na palavra acima, Ele incluiu os presos. Conforme as orientações que temos recebido, a caridade está exatamente em não visitá-los para evitar transmitir o vírus. Apelamos para que os presos sejam bem assistidos pelos policiais e agentes penitenciários responsáveis. Faço ideia da situação desses irmãos encarcerados, distantes dos seus familiares, privados de encontrá-los e se ajudarem mutuamente. Quero dizer para os presos e seus familiares que estamos lembrados deles e pedindo a Deus que os sustente pela mão. Que tudo o que está acontecendo nos sirva para refletir sobre o valor da liberdade, para a qual formos criados. Esforcemo-nos por merecê-la!

Na celebração de Ramos tivemos oportunidade de meditar a Paixão de Jesus Cristo, segundo Mateus. Escutamos a história do Deus que, livremente, oferece sua vida por amor. Ao longo do relado, o evangelista inclui a atitude de Herodes que, simbolicamente, lava suas mãos diante do povo, querendo com o gesto inocentar-se da condenação de um inocente. Hoje, contemplando os tantos cristos contaminados pelo novo coronavírus e a multidão ameaçada e temerosa, não podemos imitar Herodes em sua intenção, mas no gesto de lavar as mãos, como sinal de amor e solidariedade. Na carta aos filipenses, da segunda leitura da Missa, São Paulo afirma que Cristo, sendo de condição divina “fez-se obediente até a morte e morte de cruz”. Também, por amor, sejamos obedientes, permanecendo em nossas casas.

Que tenham todos um dia de paz e amanhã, se Deus quiser, voltaremos a nos encontrar.

Sobre todos e todas, venham as bênçãos do Pai, Filho e Espírito Santo.

 

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB

Arcebispo de Olinda e Recife

Deixe seu comentário: