Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Bom dia Dom Fernando em 8 de abril

Click AQUI e ouça!

Muito bom dia meus queridos irmãos e irmãs, ouvintes da nossa Rádio Olinda

Nesta quarta-feira, dia 08 de abril, vivemos a véspera do início do Tríduo Pascal. Se ontem o evangelho dava ênfase especial ao tema da traição, a partir da experiência de Judas e Pedro, hoje São João, 26,14s se detém na maneira como tudo aconteceu. “Judas Iscariotes foi ter com os sumos sacerdotes e disse: o que me dareis se vos entregar Jesus? Combinaram então trinta moedas de prata, E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus”.

Diferentemente de Pedro que negou Jesus três vezes, mas se arrependeu, Judas foi até o fim no seu propósito. Depois que tudo foi consumado, o desespero tomou conta do seu coração e o discípulo infiel encontrou seu consolo na morte por enforcamento. Claro que Judas poderia ter agido como Pedro e teria, com certeza, experimentado o amor misericordioso de Deus que a todos perdoa, independentemente do pecado.

Em nossos dias não são poucas as pessoas que se desesperam diante dos seus problemas e não encontram forças para superá-los. Como Judas, muitas vezes, chegam a atentar contra a própria vida. São problemas de ordem econômico, psicológico, social, físicos, remorsos, dificuldades de ordem afetivo/sexual, marcas trazidas desde a infância que continuam ferindo e maltratando e tantos outros. O pior é que nos deparamos com esses dramas sobretudo em pessoas jovens, que sentem dificuldade de abrir o coração para os pais, um profissional que possa ajudá-lo ou um diretor espiritual que o aconselhe e oriente. Em situações assim, faz muita diferença o equilíbrio emocional e o discernimento espiritual de uma vida alicerçada na fé e no compromisso eclesial. O evangelho nos ensina: “vinde a mim, todos vós que estais aflitos sob o fardo, e eu vos aliviarei” (Mt 11,28). Judas Iscariotes fechou-se no seu problema, não procurou ajuda, faltou-lhe humildade. O desespero tomou conta do seu coração e optou pela morte, como solução. Nossos problemas são solucionáveis sim, quando aceitamos o convite de Jesus e vamos a Ele, nos colocando em seus braços e ouvindo sua voz.

Motivados ainda pelo evangelho de hoje, pensemos também em uma tentação muito presente nossos dias, o desejo desenfreado pela riqueza e pelo poder. Existe um ditado popular que afirma: “Quer conhecer alguém, dê-lhe dinheiro e poder”. Judas decidiu vender Jesus por trinta moedas de prata. Na condição de tesoureiro, o evangelho de João o acusa de desonesto e interesseiro. Certamente essa experiência que estamos passado com o novo coronavírus vai nos ajudar a entender que o dinheiro até ajuda, mas não resolve tudo. O Covid-19 não fez distinção entre pobres e ricos, brancos e negros, homens ou mulheres, intelectuais e analfabetos. Lembremo-nos o que Jesus nos ensina no Sermão da Montanha: “não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam. Ajuntai para vós, tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem as ferrugens e os ladrões não furtam nem roubam. Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração” (Mt6, 19-21).

A Palavra de Deus, sobretudo nesses dias que nos preparam para a Páscoa, tem procurado tocar o nosso coração para atitudes de conversão e desprendimento.  Precisamos estar receptivos para aprender os ensinamentos do Senhor. Que o evangelho de hoje nos ajude a sermos mais irmãos e confiantes uns nos outros.  Precisamos construir boas amizades, com quem possamos abrir o coração par nas dificuldades e evitar atos de desespero. Evitemos também cair na tentação da divinização do dinheiro, pensando que ele tudo pode. Deus sim pode tudo, nEle ponhamos nossa confiança e nossa vida!

Vamos ficando por aqui e preparemos nosso coração para amanhã iniciar as celebrações do Tríduo Pascal que culminarão com a proclamação da Páscoa de Jesus.

Que tenham todos um dia feliz e até amanhã, se Deus quiser.

Sobre todos e todas, venham as bênçãos do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

 

Dom Antônio Fernando Saburido, OSB

Arcebispo de Olinda e Recife

Deixe seu comentário: